Get your 10% Discount Code. Listen to the Chasing Kangaroos Podcast.
chasingroos
ICON 0

Lorena busca justiça para tia morta

by Chasing Roos | | | 0 Comments

“Ela foi encontrada morta nas áreas ao redor da prisão de Xuri, em estado de decomposição, sem calçinhas, com o crânio fraturado.”

 

A aspirante a Copa do Mundo de Rugby League, Lorena Damasceno, conta a história de como sua tia - seu farol em uma infância conturbada - foi descoberta morta no mesmo dia da grande final feminina brasileira deste ano.

 

A equipe de Lorena, o Vitória Rhinos, havia se classificado para o maior jogo do ano, mas Lorena teve a chance de entrar em campo negada; o resultado de uma clavícula fraturada sofrida em uma semana horrenda.

 

Mesmo agora, ela descreve seu espírito como “exausto”, lembrando como tudo foi virado de cabeça para baixo por uma sequência de eventos que está quase além da compreensão.

 

“Quase desisti de jogar as semifinais porque meu pai, de 71 anos, foi internado no meio da pandemia do COVID. Perdi quase seis quilos em uma semana com o estresse,” lembra Lorena.

 

“Conheci pessoalmente várias pessoas que morreram de COVID - pessoas fortes e saudáveis - e outras que ainda sofrem com a respiração meses depois, e nessa fase os idosos que entram no hospital não voltam para casa.

 

“Mas eu sonhava com a Copa do Mundo e meus companheiros contavam comigo, então fiz a viagem para São Lourenço (11 horas de carro) na manhã de sexta-feira.

 

“Não há sinal de telefone nessa estrada em particular e foi só na sexta à noite que descobri que minha tia tinha desaparecido. Eu falei com ela um pouco antes de sair. Ela foi uma segunda mãe para mim.

 

“Nosso time fez um jogo muito importante na manhã seguinte, que foi seguido por uma semana de seletivas para a Copa do Mundo.

 

“Cheguei à segunda parte (a equipa de Lorena venceu por 25-16 para se qualificar para a grande final) e depois fracturei a clavícula.

 

“Fiquei totalmente frustrado. Muita coisa estava pesando em minha mente naquele momento específico.”

 

Lorena não apenas teve que permanecer em São Lourenço com o braço em uma tipóia enquanto seus companheiros passavam a semana tentando impressionar o técnico do Brasil, Paul Grundy, em um acampamento pré-Copa do Mundo, ela mais tarde recebeu a confirmação da morte de sua tia.

 

A cena grizzly continua a aparecer no noticiário no Brasil, com exames do corpo de Junia Souza Damasceno Bonfim relatados não ter encontrado nenhuma evidência de violência sexual.

 

Lorena está cheia de raiva e desconfiança. Atualmente cursando seu segundo diploma universitário em direito, ela afirma que toda a investigação foi repleta de negligência por parte do Estado.

 

“Minha tia foi à prisão de Xuri para visitar meu primo”, explica Lorena.

 

“A prisão não tinha guardas na guarita, a área ao redor estava cheia de mato alto e os presos vagueavam livres e sem vigilância durante o horário de visita.

 

“Os detidos da prisão contaram à minha família que a pessoa que matou a minha tia é um prisioneiro que já cumpre pena por violação.

 

“No entanto, as autoridades dizem que ela não foi abusada sexualmente, apesar de suas calças terem sumido e nenhum de seus pertences - dinheiro, telefone, documentos, cartões de crédito - ter sido retirado de sua posse.

 

“Muitas coisas não combinam. Certas pessoas em posições de poder não estavam cumprindo seus deveres no dia em que ela morreu. E o autor do crime deve ter tido ajuda para esconder o corpo por uma semana.”

 

Foi um final verdadeiramente trágico para uma vida dedicada à família.

 

Quando Lorena falou pela última vez com tia Junia, esta estava alimentando sua mãe (avó de Lorena), a matriarca da família que lutava contra a doença de Alzheimer.

 

Junia sempre pensava nos outros primeiro e tentava manter a família unida.

 

“Quem me conhece sabe que tenho problemas familiares desde a infância”, diz Lorena.

 

“Minha mãe foi hospitalizada com depressão. Ela tem ataques de pânico e está enfraquecida pela medicação.

 

“Meu pai trabalhava por muitas horas e costumava ir ao bar.

 

"Eu estava sozinho. Mas minha tia Junia estava lá sempre que podia. Ela sempre me defendeu e me encorajou. Ela me fez querer ser uma pessoa boa e educada.”

 

No início, tia Junia se opôs a Lorena para praticar esportes de contato, com medo de se machucar.

 

Mesmo assim, ela também se tornou uma grande torcida, encantada quando Lorena foi nomeada em uma equipe provisória para treinar para a Copa do Mundo da Rugby League.

 

“Ela contou a todos os seus amigos e disse-me ‘mande-me um beijo da Inglaterra ’,” lembra Lorena.

 

“É claro que, depois da minha lesão, não consegui entrar na lista de seleção da Copa do Mundo este ano, o que também me arrasou.

 

“Mas talvez a vida tenha me dado a oportunidade de o torneio ser adiado até 2022. Minha cabeça não estava no lugar certo este ano.

 

“Ainda vai ser um desafio, ainda mais sem o apoio da minha tia e os custos e sacrifícios habituais envolvidos.

 

"Mas vou tentar mais uma vez."

 

Uma estrela do futebol e handebol em seus anos de escola, Damsceno descobriu a união do rúgbi em 2012 e foi uma das primeiras a adotar quando rugby league chegou ao Brasil nos últimos anos.

 

O esporte desempenhou um papel fundamental nas oportunidades de educação que Lorena recebeu. Ela estreou no futebol aos 14 anos contra mulheres adultas e recebeu uma bolsa de estudos aos 15 anos.

 

Ela continuou estudando Educação Física na Universidade Vila Velha, concluindo a graduação.

 

Retribuindo à comunidade, Lorena conciliou seus estudos posteriores de direito e treinamento na liga de rugby com o voluntariado em um projeto de futebol social administrado pela Caratoira Escolinha de Futebol.

 

Um site para o projeto o descreve como "ocupar o tempo ocioso de crianças que vêm de muitas origens diferentes na vida".

 

“Eu treino meninas de 17 anos no futebol 5 contra 5, principalmente por causa das minhas experiências,” diz Lorena.

 

“Quando penso no meu passado, ou tive que jogar futebol contra os meninos da minha vizinhança ou contra as mulheres adultas. Não havia chance de brincar com garotas da minha idade.

 

“Atuar como instrutor neste projeto é como uma válvula de escape para mim. Me esqueço um pouco dos meus problemas e tenho a oportunidade de transformar vidas por meio do esporte.” A Brasil Rugby League doará todo o dinheiro recebido por meio de sua página de arrecadação de fundos no mês de dezembro para ajudar Lorena Damasceno a sustentar sua família e realizar seus sonhos para a Copa do Mundo de 2022.

 

By Robert Burgin

Photo credit BRUNO RUAS

Tags Cloud

Featured Products

Tags Cloud